sábado, 26 de fevereiro de 2011

Black Swan


Fiquei tão, mas tão desiludida!

Não sei se eram as expectativas que estavam demasiado elevadas, mas achei o filme demasiado irrealista e fantasioso. Até pode retratar um pouco da pressão que se vive no mundo da dança, da competitividade, do esforço e da tentativa de alcançar a perfeição. No entanto, achei a história pobre de conteúdo e toda aquela esquizofrenia da personagem principal, ou como lhe queiram chamar, me pareceu exagerada.

8 comentários:

earlymorningtalk disse...

txiii, vais ser chicoteada pela opinião pública... :P

olha lá, mas não devias tar a fazer uma tese em vez de ir ao cinema? :PPPPP

Helena disse...

Olha que não! Afinal não ganhou o Óscar de Melhor Filme, pois não? Eu da interpretação da Natalie não disse mal! :p

P.S. O dever de fazer uma tese só é válido das 09h00 às 20h00 ;) o cinema foi depois disso :p

Jil disse...

Acho que no mundo da paranóia não há exageros. Secalhar nunca nenhuma de nós alcançou esse estado - felizmente! - no entanto a psicologia sabe que a obcessão pode levar à demência e no campo da depressão não há propriamente exageros.
O Aronovsky faz o seu trabalho de modo brilhante, como sempre fez: levar os sentimentos ao extremo.
Não ganhou melhor filme porque o filme não é tipicamente 'bonitinho' como a academia aprecia. Mas longe de ser a academia a definir o que é ou não um grande filme.
Uma coisa é certa, Helena, és ligeiramente chicoteada por mim, mas não pela opinião pública em geral, uma vez que este filme teve opiniões muito controversas, desde o "excelente" ao "péssimo".
Coisa boa este ano é que a opinião é muito variada, havia a meu ver, muitos bons filmes por onde pegar. E este foi, para mim, o melhor! :) *

Jil disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Jil disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Helena disse...

És capaz de ter alguma razão. É possível que haja pessoas que chegam a um estado de obsessão semelhante. Não contesto. Mas não consegui achar o filme desconcertante, perturbador, como ouvi muita gente dizer. Eu limitei-me a permanecer "do lado de fora", a observar aquela história, porque nada naquele filme me tocou, nada me absorveu. Daí a minha desilusão. Sou eu que sou demasiado racional para conseguir viver aquela história? Talvez...

P.S. só apaguei os teus outros dois comentários porque eram repetidos.
Btw... obrigada por nos teres dado a honra de um comentário cinematográfico, neste nosso cantinho ;)

Jil disse...

Hum... eu acho que o que tu devias fazer era ver um filminho de David Lynch e perceberes que este Black Swan, no que diz respeito à paranóia, é um bebé! :P Começa pelo "Mulholland Drive" que é o mais "soft" ;)

Adoro este tipo de cinema, aquele que se debruça essencialmente sobre as emoções. Desconcertou-me, admito ;) Talvez por não ser tão racional. Mas não te esqueças de sair dessa zona de conforto ao ver um filme, de te deixares entrar na história. É quase como sonhar. Daí a minha paixão pelo cinema :)

Venho cá visitar-te sempre que há algo de novo... mas quando fazes posts sobre cinema podes sempre contar com o meu palavreado - nesse departamento é dificil calar-me! eheh :D

Beijinho grande *

Helena disse...

A questão é que eu consigo deixar-me envolver por outro tipo de filmes, nomeadamente com aqueles que mexem com o sentido de justiça (Por que será?! :p).

Enfim, de cinema, percebo eu muito pouco. Mas também não me deixo influenciar pelas críticas, porque normalmente (ou muitas vezes) não correspondem à minha opinião.
O que te posso dizer é que, felizmente, há cinema para todos os gostos ;)